brasilia_zoo_header

Elefantes do Zoo de Brasília

Por: Kat Blais – Global Sanctuary for Elephants

O zoo de Brasília foi o primeiro zoo que visitamos no Brasil. Pelas fotos que havíamos visto de alguns dos elefantes do Brasil, estávamos um pouco ansiosos pelo que poderíamos encontrar. Verdadeiramente, ficamos de algum modo aliviados quando caminhamos até o recinto de Belinha e Babu. Não havia cimento do lado de fora, apenas uma boa terra vermelha, um pouco de grama, algumas poças de lama e dois elefantes adoráveis. No Brasil, é comum que os elefantes fiquem sozinhos, ou que sejam colocados com um membro de outro sexo. Parece que Belinha e Babu se dão bem, ele se aproximou dela vagarosamente e ela emitiu um suave bramido quando ele chegou. Não havia nela um medo claro ou ansiedade quando ele se aproximou; achamos que ele é gentil com ela.

Conversamos com seus tratadores, e descobrimos que esse é um dos únicos zoos (talvez o único no Brasil) que têm uma equipe específica para elefantes, e cada um deles trabalhou com elefantes por muitos anos. A equipe foi muito aberta em discutir os diferentes aspectos dos cuidados tomados com os elefantes e em escutar sugestões de como fazer pequenas melhorias que teriam benefícios significativos.

Depois de passarmos algum tempo em seu recinto, fomos levados até Chocolate, um macho que foi confiscado de um circo pelo IBAMA e que é mantido sozinho, em uma área que antes era usada pelos jacarés. Ao contrário de outros “grandes e vigorosos” machos que vimos durante a viagem, ele é alto e magricela, quase parecendo que ele cresceu com alguma imperfeição, não crescendo como um todo, apenas para cima. Ele ganhou peso significativo desde que o zoo começou a cuidar dele, mas tem a aparência geral de um elefante que não é completamente saudável. Seu tratador ressaltou o fato de que ele requer mais paciência e atenção que os outros dois elefantes. Eles tentaram trabalhar com ele, tentando treiná-lo, mas ele fica frustrado e, então, agressivo.

Há uma verdadeira arte do treinamento de reforço positivo, multo disso é bastante engenhoso e sutil. Se você estiver fora de sincronia com o elefante, mesmo que por um momento, pode reforçar o comportamento errado. Se você pressionar apenas um pouquinho além do necessário, certamente os elefantes darão 20 passos para trás em sua confiança e progresso. Para algumas pessoas, isso parece um conceito simples, mas mesmo introduzir um alvo de treinamento para um elefante pode ser algo desafiador. Muitas vezes você está trabalhando com um elefante que foi ensinado a fazer coisas através de treinamento de “pagamento” (normalmente, apanhando), então, fazê-los entender o conceito de fazer algo por um prêmio positivo pode causar a eles um questionamento sobre quando “a parte ruim” irá começar. Você também está se aproximando deles com um bastão grande, algo que nos últimos 30 ou 40 anos de suas vidas foi usado para bater neles. Mas desta vez, você quer que eles andem em direção ao bastão, e que o vejam como algo bom. Realmente acreditamos que com a pessoa certa, muita paciência, e com a confiança que é obtida, os elefantes ganharão a auto-confiança necessária para passar tranquilamente pelo treinamento.

Chocolate é residente temporário do Zoo de Brasilia; nunca houve a intenção por parte do zoo de que ele permaneça lá para sempre; eles estão esperando o decorrer de um processo e que haja um local adequado para onde ele possa ir. Adoraríamos estar aptos a prover a ele a vida de que necessita para que sinta confortável e floresça.

Compartilhe!