História da Elefanta Ramba

ramba

English Version

Ramba é conhecida como a última elefanta de circo no Chile, apesar de sua vida circense ter começado na Argentina. Ramba, que estimamos ter aproximadamente 50 anos, viveu a típica vida de um elefante de circo: intermináveis dias de viagem, transportada por um caminhão, presa a correntes e vivendo em processo de domesticação. Tudo para que ela pudesse entreter a multidão com truques bobos por 5 minutos.

Ramba foi confiscada do circo “Los Tachuelas”, em 1997, pelo SAG (Serviço Agrícola e Pecuário do Chile), com questões relativas a abuso e negligência. Embora oficialmente “confiscada”, Ramba permaneceu com o circo, mas desta vez sem atuar.

ramba circo

Uma pequena ONG chilena, denominada Ecopolis, iniciou uma campanha para que Ramba fosse removida do circo, onde continuou a ter uma vida abusiva e solitária, e fosse realocada em um local onde seria bem cuidada. Depois de alguns anos, a ONG recebeu a permissão para remover Ramba do circo. Eles entraram em contato com um parque safári local (Parque Safari em Rancagua) para saber se eles estavam dispostos a ajudar. O parque aceitou, e foi construído um pequeno celeiro cercado, com um lago e árvores de salgueiro, utilizados para enriquecimento ambiental, formando uma ilha. A ONG Ecopolis tentou fazer o transporte de Ramba, mas foi uma tentativa malsucedida. Após esta tentativa, foi dada somente mais uma chance da ONG transportar Ramba, caso contrário, Ramba iria passar o resto de sua vida com o circo incriminado por vários crimes de negligência.

ramba conteiner

Scott e Katherine Blais, que mantinham contato com a ONG por mais de um ano, foram convidados a irem ao Chile para tentar realizar o transporte. Embora sem muitos fundos para realizarem a viagem, chegaram ao Chile no final de dezembro de 2011, dois dias depois de receberem o e-mail com o pedido. Embora o dia da mudança tenha sido conturbado, com questões envolvendo o circo e proteção policial, Ramba embarcou graciosamente em seu contêiner de transporte e foi levada para seu novo lar.

Chegando em torno da meia-noite, depois de um longo dia, Ramba saiu com facilidade do contêiner, ignorou suas frutas e foi atrás de um simples prazer, negado à maioria dos elefante: colher com sua tromba um punhado de grama fresca e comê-la. Ela ignorou a presença das pessoas que a ajudavam e estavam contentes em vê-la ali, e continuou a inspecionar sua propriedade. E, depois que todos foram embora, exceto a equipe de trabalho, tirou uma soneca. Sentiu-se em casa.

ramba

Sua casa no parque era, inicialmente, uma solução temporária. A esperança maior era de conseguir um abrigo em um santuário nos EUA. Porém, o caminho foi árduo, e esta possibilidade foi eliminada, o que significava ser necessário encontrar uma outra solução para ela. A ONG Ecopolis sempre entendeu a necessidade de Ramba estar com outros elefantes, com liberdade para passear por uma vasta área e em um lugar onde ela seria tratada com carinho e respeito. Porém, o santuário americano não era uma possibilidade para Ramba, e outra alternativa deveria ser encontrada. Logo Ramba mostrou por quê é necessária uma ampla área para manter-se um elefante. Seus belos salgueiros foram dizimados, áreas grandes de seu gramado estavam destruídas e seus únicos companheiros eram os patos que entravam e saíam de seu recinto. O inverno no Chile foi muito difícil para ela, com as temperaturas caindo para baixo dos 0º C à noite, durante 3 meses do ano. Alguns elefantes toleram melhor o frio do que outros, mas Ramba tem dificuldade para se aquecer e treme bastante com a queda de temperatura.

ramba

Ecópolis continua tentando angariar fundos para seus cuidados, que incluem a compra de feno, a ração peletizada, visitas do veterinário, exames laboratoriais, frutas e legumes, os tratadores e outros suplementos dietéticos. Mas eles ainda estão tentando encontrar outro santuário, e é onde o Brasil entra na história. O Santuário de Elefantes Brasil é uma alternativa completamente viável para Ramba, que propiciará a ela tudo o que Ecópolis sempre desejou e que ela tanto merece. Devido à localização central do país, é possível que Ramba viaje para o Brasil, vivendo com outros elefantes, vagando por pastagens e florestas, desfrutando de uma vida de aposentadoria. Nesse meio tempo, Ecópolis ajuda a pagar pelos cuidados de Ramba. A ONG também luta pelos direitos dos cavalos de transporte, alimentação, vacinação, castração de cães de rua e outros projetos de preteção animal em que trabalham e para os quais precisam de apoio. Seus fundos são distribuídos por todos esses projetos, e nós gostaríamos de poder ajudar. Como o plano inicial era que Ramba ficasse por um tempo curto no parque safári, os custos se elevaram mais do que o previsto. E, por ser uma ONG pequena, manter Ramba no parque se tornou uma luta.

ramba na água

Ramba é uma joia de elefante. Costumamos brincar que pessoas que trabalham com ela no Chile provavelmente acham que todos os elefantes são assim. Embora, inicialmente, ela tenha respondido ao contato com as pessoas abaixando a cabeça, cerrando os olhos, como se estivesse pronta para uma colisão, ela nunca agiu agressivamente com ninguém. Ramba é uma elefanta que, embora ame e aprecie a companhia humana, não anseia por ser tocada. Ela gosta da companhia, mas não gosta de ser acariciada como muitos outros elefantes gostam. Você pode tocá-la, mas não é algo que ela faça questão. Ela é uma aluna muito esperta – foi muito fácil para ela responder ao treinamento por reforço positivo. Esse treinamento é feito com uma vara de bambu que tem uma fita anexada ao fim, por isso se parece com um cotonete gigante. É uma imagem divertida, mas pode ser um problema para uma elefanta que foi abusada, pois pode remeter a imagens de dor. Ramba aceitou isso sem grandes problemas, pois ela confiou muito rápido nas pessoas e pareceu perceber imediatamente que ninguém ali iria machucá-la – que isso fazia parte do passado.

ramba

Ramba tem inúmeras cicatrizes e antigos abscessos em seu corpo, feitos por  correntes e bullhooks (ferramenta de madeira ou metal com gancho de aço na ponta, usada para ferir os elefantes a fim de que se submetam ao treinador), e sua massa muscular estava muito baixa, inicialmente, devido à falta de exercícios. Mas sua condição corporal melhorou desde sua realocação em 2012. Infelizmente, as cicatrizes externas não são as únicas lembranças de sua vida difícil. Quando Ramba chegou ao Parque Safari, percebemos que sua urina estava muito clara, sem cor alguma. Isso nos levantou bandeiras vermelhas, mas pensamos ser possivelmente temporário, e que ela só precisava de água limpa e prontamente disponível. Devido a estes problemas, foram realizados exames de urina, e havia indicações de que poderia ser um problema mais grave. Depois de treinamento de reforço positivo, amostras de sangue também foram coletadas. Os exames comprovaram ser um problema maior: Ramba sofre de problemas renais crônicos, devido a anos da falta de algo básico: água limpa e potável. Continuamos a trabalhar com a Ecopolis na tentativa de encontrar formas de apoiar o sua saúde física e facilitar o trabalho de seus rins. Conversando com vários veterinários, chegamos a um plano que inclui mudanças na dieta e suplementação, como limitar cálcio e reduzir níveis de proteína, adicionando aveias frescas e farelos. A dieta de Ramba consiste em aproximadamente 20 quilos de frutas e vegetais frescos diariamente, junto com feno. E nós gostaríamos de conseguir um feno de melhor qualidade – o feno de capim está disponível apenas no sul do Chile, e é caro. Por isso, atualmente, ela come alfafa, que tem muito teor de cálcio e proteínas. Alfafa é bom, mas inviável para os problemas renais de Ramba.

ramba árvore

Ramba está aparentemente saudável, seu apetite é bom e ela está ativa e brincalhona. Este é apenas um dos fatores que terão de ser cuidados e acompanhados por toda sua vida. Há também o objetivo de conseguir um tratador em tempo integral. Os trabalhadores do Parque Safari têm muitos animais para cuidar, por isso seu tempo é limitado e os cuidados com Ramba requerem grandes períodos de tempo. Entre treinamento com contato protegido, trabalho nas patas, alimentação, água quente da mangueira várias vezes por dia (muito importante para ajudar no funcionamento de seus rins), limpeza, corte de ramos para ela e cuidados gerais, ela precisa de alguém que possa se dedicar a ela durante muitas horas do dia. Atualmente, Ramba tem dois estudantes de medicina veterinária que trabalham como voluntários para ela, e seria muito bom poder oferecer alguma compensação por seu tempo, ou apenas pagar por seu combustível . Sem nenhum outro apoio, além da Ecopolis e algumas doações individuais, isso fica muito difícil.

Ramba brame, mas não vocaliza de outras maneiras (como através de guinchos, chilros e outras vocalizações típicas dos elefantes), e há esperança de que, quando entrar em contato com outros elefantes, isso mude. Ela é uma elefanta incrível que ganha o coração de qualquer um que tem a sorte de passar algum tempo com ela. Nós gostaríamos de ser capazes de dar-lhe um lar permanente, onde ela possa viver sua vida como um membro de uma manada, com acesso a centenas de hectares, e onde ela não sofrerá tanto com o frio.

ramba rosto

Outra questão é a disponibilidade de suprimentos. Sem medicação tradicional para elefantes com problemas renais, a fitoterapia é a escolha. Ecopolis não pode obter as ervas recomendadas para o tratamento no Chile, por isso elas estão sendo enviadas dos EUA, o que está sendo muito caro e difícil. O primeiro pacote de ervas foi enviado pelo correio, e demorou mais de duas semanas para chegar. Junto com o pagamento e transporte, há também uma taxa de importação ao chegar no Chile. Felizmente um casal generoso doou o primeiro lote de ervas. Mas obter suprimentos adequados para Ramba tem sido difícil, e quando a Ecópolis os obtém frequentemente têm que ser enviados de outro país. Muitas vezes nossa primeira escolha não está disponível, e temos que fazer pesquisas para encontrar algo compatível no Chile. Conseguir os suprimentos adequados para Ramba tem sido difícil e é por isso que não hea a opção de compra direta em sua lista de desejos no website da Ecopolis, e também o motivo de haver custos de transporte relacionados à maioria dos itens.

Pedimos ajuda para Ramba agora, antes de ela ir para o santuário, para tentar garantir que ela continue a ser saudável para chegar à sua casa definitiva, no Brasil. Caso você queira ajudar Ramba, você pode verificar a lista de preços e itens necessários para seu cuidado diário, ou usar a opção de doar, listando o item específico que você gostaria de doar. Isso pode ajudá-la, e muito!

 

Atualizações de Ramba

31/10/13

ramba faceÉ primavera no hemisfério sul, e as temperaturas finalmente começaram a subir em Rancagua, no Chile. Para alguns, isso não significa tanto, mas para Ramba significa muito. O inverno afeta muito Ramba fisicamente. Ela perde massa muscular tentando se aquecer dentro de seu abrigo, e anda menos pelo seu quintal. Ela deixa de usar alguns grupos musculares, pois não escala mais sua lagoa para entrar e sair, como faz nos meses de verão. No seu recinto não tem nenhuma vegetação natural durante o inverno. Ramba tem sorte de ter grama para pastar durante os meses mais quentes, mas no inverno precisa receber suplemetação alimentar, que não se compara aos benefícios de pastar naturalmente Ramba não tolera bem o frio, e começa a tremer muito quando a temperatura cai. Em alguns elefantes, esses tremores são pouco perceptíveis, mas Ramba treme seu corpo todo. Tudo isso para tentar aquecer seu corpo, gastando muito energia. Com seu problema renal crônico, a energia deveria ser focada em sua reabilitação.

ramba vegetaisCom a chegada da primavera, a grama está verde e quase de tamanho suficiente para ela pastar. Ela dormiu sob as estrelas pela primeira vez desde o último outono. Em vez de passar a maior parte de seus dias no abrigo, ela passa grande parte do tempo se aquecendo ao sol, e agora há dois funcionários ajudando com seus cuidados, sendo um deles o veterinário residente do parque. Os tratadores estão sempre à procura de meios de manter sua mente e corpo ocupados. Se você olhar ao longo da cerca de seu recinto, verá espigas de milho e outros vegetais amarrados a cada três metros. Grandes ramos de salgueiro (seu favorito) são cortados regularmente e colocados ao longo do recinto, e a grama alta de outras áreas do parque é cortada e entregue a ela. Ramba continua com seu treinamento de reforço positivo para o tratamento das patas e coleta de sangue, além de seguir o tratamento médico. Ramba tem apreciado os benefícios da água fresca que agora é canalizada para seu abrigo. Ela recebe banhos de mangueira, que acha muito prazerosos, e bebe água diretamente dela  várias vezes por dia. Isso garante que ela esteja devidamente hidratada e ajuda o funcionamento adequado dos rins para a liberação de toxinas. Nadar ainda está fora de questão, pelo menos até a lagoa esquentar um pouco.

ramba banhoContinuamos a tratar os rins de Ramba com a suplementação à base de plantas, e acompanhado sua saúde de perto. Ela recebeu duas injeções de vitaminas do complexo B, e vai receber mais duas em duas semanas. Ramba surpreendeu os tratadores, se comportando durante as injeções intra-musculares, agindo como se nada estivesse acontecido. Como já dissemos antes, ela é uma verdadeira joia. Os planos são repetir os exames de sangue na próxima semana para ver se as mudanças na dieta e nos suplementos de ervas causaram algum tipo de melhoria em seus níveis séricos.

ramba gramaUma das situações desagradáveis é a limitação em protocolos médicos tradicionais para elefantes, no tratamento de certas doenças, como no caso de Ramba. Nós ajustamos sua dieta na medida do possível, dada a limitação do Chile, incluindo suplementos de ervas para tentar apoiar e ajudar alguns dos seus sistemas corporais.

A melhor coisa sobre o aumento das temperaturas é que Ramba parece muito mais brilhante. Ela tem uma aparência mal-humorada durante o inverno, um olhar entediado, uma postura curvada. Mas tudo isso mudou! Agora existe um brilho brincalhão em seus olhos, ela está mais envolvente e até vocalizando mais. O inverno passado foi definitivamente uma luta para ela, e esperamos que ela nunca mais passe por isso de novo, e que no próximo inverno ela já esteja em sua casa, no Brasil.

Continuaremos atualizando as informações sobre Ramba, sua saúde e alguns acontecimentos interessantes.

Compartilhe!

One Comment on “História da Elefanta Ramba

  1. Fiquei emocionado com a história da Ramba e da dedicação que vocês têm com esses animais, tão cruelmente tratados em circo.