A incrível biodiversidade dentro da pegada de um elefante

Biodiversidade na pata dos elefantes

Foto: Mark Evans

Nosso entendimento sobre o papel do elefante como engenheiro do ecossistema continua evoluindo

John R Platt, 15 de agosto de 2016

Quando você pesa mais de 6000 kg, tende a deixar um rastro de si mesmo por onde quer que passe. Esse é, definitivamente, o caso dos elefantes africanos (Loxodonta africana), cujo rastro, de acordo com uma nova pesquisa, é, na verdade, uma benção para várias outras espécies menores.

Como discutido em um estudo publicado na primeira quinzena de agosto no African Journal of Ecology, as patas dos elefantes desempenham um papel ecológico importante em Uganda e, provavelmente, em outros países também. Ao andar pelas florestas, os elefantes deixam pegadas profundas. Estas, quando se enchem de água, criam pequenos micro habitats em forma de pata para no mínimo 61 espécies de micro invertebrados de 9 ordens diferentes.

Entre aqueles que vivem no solo da ‘Pegadalândia’, estão espécies de ácaros, efemerópteros, notonectidaes, sanguessugas e gastrópodes. E foram encontrados também grande número de girinos.

Nada disso tinha sido observado antes, embora algumas pesquisas anteriores já houvessem estabelecido a relação entre pegadas de elefantes e o local de reprodução de mosquitos, segundo o estudo.

Os pesquisadores, da universidade alemã de Koblenz-Landau e de outras instituições, fizeram mais do que descobrir essas comunidades de micro invertebrados. Eles quiseram descobrir até que ponto os minúsculos habitantes dependem das pegadas dos elefantes. Mediram a idade de cada pegada, e também a temperatura e o pH da água dentro delas, assim como a distância entre as pegadas e entre elas e outros corpos naturais de água. Além disso, criaram uma série de pegadas falsas de elefantes, para aprofundar o estudo.

Descobriram que as pegadas mais antigas apresentavam os níveis mais altos de diversidade, devido à quantidade adicional de folhas mortas que haviam caído dentro das pegadas, assim como à nova vegetação que começara a crescer. As pegadas mais antigas também foram as únicas nas quais encontraram girinos. Ao mesmo tempo, notaram que as pegadas de meia idade apresentaram níveis mais baixos de diversidade.

Os autores reconhecem que este é um estudo preliminar e mais pesquisas precisam ser feitas para compreender a fundo como a pegada dos elefantes atua num ecossistema amplo, mas afirmam que esta parece ser uma importante parte do ciclo de vida e da cadeia alimentar de várias espécies. Eles evocam especialmente os anfíbios, já que invertebrados maiores podem se alimentar de girinos e sapos adultos podem se alimentar desses outros invertebrados.

Como já escrevi anteriormente, elefantes são importantes  dispersores de sementes e possuem inúmeros outros papéis vitais em seus ecossistemas. Esse novo estudo apenas acrescenta essas novas informações a esse conhecimento, e serve como mais um lembrete de tudo que podemos perder se a contínua crise de caça que afeta os elefantes na África prosseguir eliminando esses essenciais animais de seus habitats.

Compartilhe!

Comments are closed.